A família real de Rune-Midgard



O Tirano Schmitz

Em 511 D.G., Walter Von Schmitz se tornou o rei de Rune-Midgard,
aos 32 anos. Seu avô foi Walter Von Eyck, e seu pai foi
Walter Von Braham.
O avô de Schmitz, Príncipe Eyck, liderou seus soldados na Revolta dos Príncipes em 440 D.G.,
deflagrada por príncipes que discordavam da linha de sucessão do trono decidida
pela Corte. O Príncipe Eyck foi derrotado e morto pelo Príncipe Lakhan e seus soldados
enquanto fugia.

Nessa época, o Príncipe Eyck teve dois filhos: o primogênito Augat e o caçula Braham,
que mais tarde teve como filho o Rei Schmitz.
A família Walter perdeu a maior parte do seu poder na Corte desde que foi derrotada na
Revolta dos Príncipes, e foi tratada como um clã de segunda classe, excluído da
concorrência pelo poder real.

Braham ficou como o único filho da família depois que seu irmão Augat morreu
de doença aos oito anos. Depois que seu irmão faleceu, Braham reconheceu seu dever
de perpetuar a linhagem da família e recuperar seu prestígio. Apesar da queda de sua família,
ele se destacou entre todos os outros príncipes em sua habilidade e capacidade, e transformou
sua imagem de filho de um traidor para a de um legítimo sucessor ao trono.

Braham já tinha restaurado parte da honra perdida de sua família, mas ele ainda era o último
na linha de sucessão ao trono, e não descansaria até se tornar rei.
Ele chegou ao extremo de se casar duas vezes para reforçar seu poder na Corte Real.
Sua primeira esposa não conseguiu lhe dar um filho, mas a segunda deu à luz seu primeiro filho,
Walter Von Schmitz, quando Braham tinha 38 anos. Quando Walter Von Schmitz tinha 2 anos,
Braham fez com que ele fosse adotado pela família Gaebolg, um clã privilegiado na corte,
para deixá-lo ainda mais perto do trono.

O Príncipe Walter Von Schmitz foi criado pelos Gaebolgs, e foi reconhecido como
um legítimo sucessor ao trono quando fez dezesseis anos. Sua candidatura foi
ainda mais fortalecida por suas realizações como príncipe.
No entanto, muitos na Corte Real suspeitavam que os Gaebolgs e os Walters conspiravam para
promover o Príncipe Schmitz como o próximo rei.

O Rei Ouzel morreu em 509 D.G., e a Corte Real começou a escolher
o próximo rei. O primeiro candidato era o Príncipe Gunther dos Leovenburgos,
mas ele era jovem demais para assumir a liderança da nação. O segundo era o Príncipe Max
de Ricardo, o irmão mais velho do falecido rei, mas ele não contava com o apoio
da Corte Real. O Príncipe Schmitz era o terceiro na linha de sucessão, filho dos influentes
Gaebolgs, e o mais poderoso politicamente entre os três candidatos.
Os ministros da corte e as famílias reais discutiram a questão da sucessão por mais de um ano, e
finalmente concordaram em coroar o Príncipe Schmitz como o rei de Rune-Midgard,
em 511 D.G.

O Rei Schmitz começou seu reinado como um governante amigável e sagaz, mas lentamente foi revelando
suas reais intenções. Ele investiu em vários projetos comerciais nacionais e estrangeiros,
e tirou muitos servidores fiéis da Corte Real. Ele preencheu a Corte Real com
seus seguidores para ter todo o apoio possível, mas a bajulação deles acabaria por deixá-lo cego para
a realidade dos assuntos de estado. O Rei Schmitz também construiu uma arena próxima a Prontera para promover
aventureiros que matassem demônios por esporte, ganhando assim o apoio do seu povo.
Enquanto mais e mais seguidores lhe juravam fidelidade, o Rei Schmitz reconstruiu
seu palácio, e gastava libertinamente o dinheiro do Tesouro Real para custear banquetes
e festas diárias que causariam dificuldades financeiras à Corte Real.

Era um pretenso segredo na Corte Real que Braham Von Walter era o pai
biológico do rei, mas Schmitz não descobriu isso antes da morte de Braham.
Quando descobriu o segredo do seu nascimento, o Rei Schmitz começou a ter sentimentos confusos
pelos Gaebolgs e pelos Walters, o que gerou uma repressão sangrenta contra
os Leovenburgos. Essa família tinha uma história gloriosa, tendo trazido ao mundo
muitos reis sábios, mas sofreu a fúria do Rei Schmitz porque um dos seus,
o Rei Lakhan de Leovenburgo, havia matado seu avô, Walter Von Eyck. Os Leovenburgos que
escaparam da morte foram banidos do Reino de Rune-Midgard.

Então, o Rei Schmitz fez tudo ao seu alcance para restaurar os Walters, sua família biológica, ao
ápice do poder. Ele dissolveu o comitê de nobres que era encarregado de
eleger os membros do Gabinete e da Corte Real, permitindo a ele empossar
muitos membros da família Walter, colocando-os na Corte Real. Ele também
estabeleceu o direito do rei escolher seu sucessor. Embora dedicasse
favores especiais aos Walters, ele era estranhamente antipático com os Gaebolgs
que o criaram.

O comportamento errático do rei piorou, e logo ele se mostrou insatisfeito
com o Palácio de Prontera. O Rei Schmitz ordenou que seu povo construísse um enorme castelo,
três vezes maior do que o antigo, em Glast Heim, junto à encosta do Monte Mjolnir.
O Palácio de Prontera havia abrigado a família real por mais de quinhentos anos,
e embora ele tivesse sido reconstruído, a Corte foi forçada a recolher mais impostos
do povo para financiar esse projeto imensamente caro. O novo Palácio de Glast Heim foi
concluído em cinco anos, e o Rei Schmitz se mudou para lá imediatamente, desfrutando uma vida isolada
de prazer decadente, financiada pelos impostos pagos pelos cidadãos e aventureiros.

Claramente um tirano insano em seus últimos anos, o Rei Schmitz sacrificava humanos aos demônios
na esperança de atingir a imortalidade. Ele foi finalmente deposto em 529 D.G. por seu primo,
Grenholm Von Gaebolg, que liderou um golpe de estado. As tropas rebeldes de Grenholm
derrotou o exército real, e avançou sem resistência ao Palácio de Glast Heim. Ao entrar no
Palácio, os soldados de Grenholm encontraram um exército de demônios que o Rei Schmitz
convocou do inferno. Muitos dos soldados de Grenholm pereceram na batalha violenta, mas
acabaram triunfando sobre seus inimigos. Eles viram a extensão da loucura do Rei Schmitz
quando finalmente o capturaram em uma pequena torre no Palácio de Glast Heim: seu corpo tinha sofrido mutações
e estava deformado por suas experiências na busca pela
imortalidade dos demônios.

O capitão da guarda, ao entrar na cela do rei cativo alguns meses depois, descobriu que
Schmitz havia desaparecido. Seguiu-se grande investigação, e foi descoberto que
o rei havia usado um poder misterioso e demoníaco para se esconder no espelho da cela. Schmitz foi
finalmente deposto, e Grenholm assumiu a coroa. Sua primeira ação como rei foi retomar a
tradição, levando a família real de volta ao Palácio de Prontera.